quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

D&D 30 Day Challenge - #Dia8

HOJE O ASSUNTO RENDE! Porque nós vamos falar sobre uma das melhores partes do RPG. PERSONAGENS!

#Dia 8 - Personagem favorito com o qual já jogou

Quando você joga RPG, cria um personagem para interpretar. Esse aspecto meio cênico do RPG sempre me atraiu muito; afinal, é uma oportunidade de experimentar uma realidade diferente e viver uma história que não a sua. Podem me acusar de escapismo, mas acho isso muito divertido. Nunca tive o mínimo talento para ser atriz, mas histórias me fascinam, então a chance de vivê-las é uma coisa MUITO LEGAL para mim. Sempre gostei de escrever (e ler) exatamente por isso! Então é óbvio que o RPG me caiu como uma luva.

Como jogo há mais de dez anos, já fiz muitas personagens, de várias raças e classes. Mas, combinando minhas preferências dos desafios dois e três, minha personagem favorita de todas foi a Astreya, uma barda meio-elfa do deserto de Kamaro. O mais engraçado é que a Astreya foi uma personagem que fiz de supetão. Eu estava jogando, antes, com uma feiticeira de poderes meio divinos que havíamos achado no Pathfinder, mas a mistura de magia arcana e divina acabou não me agradando (todos pensavam que eu era uma clériga, até por eu ter vindo de um templo). Acabei trocando de personagem e, sem muitas ideias, resolvi que faria minha classe favorita, a barda, e que seria filha de uma vidente humana e de um elfo cuja vida ela havia salvado. Criei minha pequena tribo, Myrra, e decidi que teria poderes de vidência também, graças a minha mãe, Leora. 

Para criar a Astreya, eu havia me inspirado em uma imagem que me encantava desde sempre, e que eu tinha visto na capa da finada Revista Dragão Brasil RPG. A imagem tinha um guerreiro e uma mulher vestidos como beduínos e era toda em tons de roxo. Era linda, mas eu só tenho um fragmento dela comigo (que é a "Astreya"):


Era assim que eu imaginava minha personagem. Bem, o mestre da campanha (salve, Odin!) usou muito bem a questão da vidência, o que me deixava extremamente empolgada com a personagem. Além disso, todos os jogadores tinham bastante carinho pelos seus PCs (Player Character) e o entrosamento entre nós foi um ponto muito positivo. Mas, o fato é que a história da campanha era maravilhosa. Nosso querido mestre estava muito inspirado (ele sempre está!) e nossos personagens/interpretações dedicadas realmente contribuíram para deixar tudo com um gostinho ainda mais épico. Foi uma combinação de fatores que funcionou muito bem; eu me sentia curiosíssima para saber o que iria acontecer na "próxima aventura", como eu fico quando assisto uma série porreta ou leio um livro bom que vai ter continuação. A diferença é que eu estava vivendo aquilo, ajudando a "escrever" a história. 

A Astreya teve um papel importante na campanha (todos tivemos) e, no fim, depois de muitas lágrimas, desencontros, mortes e sangue derramado, ela se casou com seu amado Coran Bhael e virou a rainha de Sírhion, o reino dos elfos de prata. Sou suspeita para falar, mas foi uma história linda, que eu pedi para que o Odin escrevesse. Ele escreveu uma parte, que virou até livro (vocês viram na postagem sobre  Elgalor), mas nunca terminou (snif). Infelizmente, já esquecemos de muitos detalhes, mas quem sabe um dia eu não tome essa iniciativa e reconstrua as Crônicas de Elgalor até o fim? Contar a história da Astreya valeria a pena. Ela tinha até um diário, no blog que eu fiz graças a essa campanha e a ela... foi o meu primeiro, e se hoje estou aqui tagarelando pelos teclados, é por causa da Astreya, meu alter-ego, a rainha de Sírhion e agora mãe de três :). Ela fez tanto barulho que até ganhou ilustrações: 

Astreya pela Ingrit Lima, na época em que a gente tentou fazer quadrinhos de Elgalor.

AGORA, isso aqui foi um presente de aniversário que eu ganhei do Odin, pintado pela MARAVILHOSA Angela Takagui, ilustradora que fez aniversário ontem PARABÉNS ANGELA!!! Caham. É uma representação da Astreya, do Coran e da... Kimi, nossa cachorrinha (DE ARMADURA! Gente, essa é a cachorra que eu e o Matheus temos, mas fica combinado que ela também existe em Elgalor e é do Coran e da Astreya). Eu vou parar de falar, porque senão eu choro. 
THE FEELS

Ok. Já deu para entender o quanto a personagem é importante para mim, né? A Astreya é uma linda. Recentemente, fiz outra personagem, a Séfora, que ganhou meu coração. Ela é uma monja, minha primeira, e também é de Kamaro. Acho que me dou bem com o reino desértico de Elgalor. Tempos atrás, eu vi uma imagem que era exatamente o que eu imaginava da Séfora, e eu ACHO QUE ENXERGO UM PADRÃO: 

Séfora. Ah, gente, não lembro de quem é a pintura. 
Bem, deixemos a Séfora para outro dia, antes que este post fique mais imenso. E vocês, leitores lendários, que personagens amaram interpretar? Como eles eram? Quais eram suas histórias? Contem para a Astreya :). 

4 comentários:

  1. Astreya e Séfora são personagens muito importantes e queridas para mim. No meu caso, o personagem com o qual mais consegui jogar foi um clérigo chamado Richard, em um ótima campanha de meu cunhado. Lembro que a campanha era mestrada a cada dois meses, e durou cerca de quatro anos. Em um ponto, "aposentei" Richard quando ele estava extremamente poderoso, para preservá-lo.

    O que se mostrou uma decisão boa no final, porque todos os outros personagens que fiz depois dele morreram em uma-três aventuras, e no final, foi usando Richard que consegui salvar alguns personagens de meus amigos da morte, evitando que a campanha terminasse em tragédia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Richard!!! Que saudades do Richard! Pois é, Odin, a decisão de aposentar o Richard e a Nara foi mesmo mais sábia. Sinto muito que você não consiga jogar muito, eu sei o quanto você gosta... na maioria das vezes, você está mestrando para a gente poder se divertir com nossos personagens :P.

      Excluir
  2. Amei suas personagens, Li!!! Agora vi de onde veio a inspiração para seu lindo vestido na foto ao lado^^

    Minha personagem favorita foi uma meio elfa ranger chamada Gaea, com quem joguei muito, mais de três anos em aventuras esparsas. Mas tive uma halfling barda chamada Kendra que também me traz muitas boas recordações!

    Beijos da Amanda^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahaha, pois é, Amanda! Aqui em casa a gente chama ele carinhosamente de "vestido de Astreya". Ela me empresta umas roupas de vez em quando, sabe. Agora vocês já sabem meu segredo. Não foi o Matheus que me deu de presente não XD.

      Que lindo o nome da sua ranger ♥. Gaea ♥. É uma delícia jogar bastante com um personagem. Eu joguei muitos anos com uma ranger também, a Nara, a companheira do Richard do Matheus, que ele descreveu ali em cima. Ela era uma elfa ranger arqueira. E com a Astreya devo ter jogado por mais ou menos um ano. Já a Séfora foi menos tempo.

      Nhóin, halfling barda ♥. Kendra também é um nome lindo (e nome de uma personagem de quadrinhos muito legal!). Devia ser uma fofa :).

      Excluir

Olá, comentários são sempre bem vindos! No entanto, postagens com linguajar muito chulo, caráter ofensivo ou preconceituoso (e todas estas coisas que pessoas adultas são plenamente capazes de evitar) serão apagadas. Trolls, só na mesa de jogo. Obrigada :).