terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

D&D 30 Day Challenge - #Dia7

Bem, hoje eu não tenho muito o que dizer, porque eu não tenho um conhecimento muito vasto ou variado do assunto. Ainda assim, vamos lá!

#Dia 7 - Edição favorita. 



Eu só joguei três edições de D&D pra valer: a 3.0, a 3.5 e, agora, a 5 (sim, ignoramos a 4 e ninguém fala nisso!). Passamos anos e anos jogando a 3.5 e ela me servia bem; havia, sim, umas coisas complicadas sem muita razão de ser, e eu nunca curti muito a infinidade de perícias; o que mais me incomodava, no entanto, eram as regras de movimentação, mas a gente aboliu uma porção delas para deixar o jogo mais dinâmico. 

Quando o Matheus, marido e mestre honorário, comprou o livro do jogador da 5 edição, achei que teria dificuldades em me adaptar. Sou uma pessoa que não gosta muito de mudanças quando já estou bastante acostumada com algo (ainda mais no campo do entretenimento, que é onde eu quero me sentir confortável sem ter que ficar me forçando a nada, hehehe!), e me lembro de como me debati para jogar GURPs, Storyteller... o único sistema diferente que eu curti e ao qual me adaptei com mais facilidade foi o do Call of Cthulhu. Ah, uma vez eu joguei o AD&D, mas foi uma vez só mesmo, nem deu tempo de me acostumar.

Bom, mas o fato é que a 5 edição acabou se tornando minha favorita. Ela é mais simples, mais enxuta, tem uma tabela de perícias + pontos de atributo super prática, trouxe os maravilhosos cantrips (truques; magias que você tem sempre, EBA!) para os conjuradores, que evitam aquela situação tenebrosa de ter de bater com cajado ou atirar com besta/arco (e nunca conseguir m**** nenhuma) quando você é mago/feiticeiro e suas magias acabam... os dados de vida aumentados para certas classes também me agradaram, a dinâmica de antecedentes (arquétipos de personagens que te ajudam a caracterizá-los e te dão algumas habilidades a mais) é MUITO legal e eu amei que existe lugar na planilha para história, características do personagem, falhas, qualidades, valores e ideais (sacada que já existia em outros sistemas e que o D&D fez bem em incorporar). Aliás, a planilha tá maravilhosa, e tem folha separada para as magias ♥. 


Capas da 5 edição


Outro ponto: a 5 edição trouxe um monge que me deixou com vontade de usar a classe pela primeira vez. Tem gente que detesta o monge e crê que ele não é legal para campanhas baseadas em fantasia medieval. Eu costumava achar isso, mas pôxa, por que a fantasia não pode abarcar traços de outras culturas que não as europeias? É FANTASIA, caramba! Basta deixar a coisa toda bem orgânica dentro da ambientação. Tá, questão de gosto, eu sei.

Muitas classes melhoraram e ficaram bem bacanas, a meu ver. Curti o novo bardo, bem mais forte e útil, e AMEI os conjuradores cheios de caminhos diferentes (os clérigos da cura, gente, os clérigos da cura!!! ♥ É MUITO AMOR!). 

Enfim, vou ficar por aqui, porque esta ainda é uma visão de quem está experimentando o sistema. Quanto a minúcias estatísticas, prefiro não comentar; não me atenho a isso e minha percepção está mais voltada para o que funciona melhor dentro do jogo e deixa a partida mais dinâmica. Eu acho que a 5 edição veio para ficar na nossa mesa!

Planilha nova

4 comentários:

  1. Também gostei muito da quinta edição de D&D. Especialmente no que tange às magias. Os conjuradores possuem magias que podem ser usadas sem limite diário, houve uma redução grande nas magias de "buff", o que torna as preparações para o combate muito mais rápidas e as escolhas, muito mais cuidadosas (já que cada conjurador pode lançar apenas uma magia que exija concentração prolongada por vez). Enfim, mesmo com alguns problemas, o sistema ficou muito bom; simples e divertido.

    Mas acho que por nostalgia, minha favorita ainda é o AD&D; também não era perfeito, mas depois que se aprendia a jogar, era muito simples e divertido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Odin, AD&D tem um séquito de fãs. Infelizmente não conheci o sistema suficientemente bem, mas imagino que deva ser muito bacana. Confesso que achei tudo um pouco difícil daquela vez em que jogamos, mas faltou tempo para se acostumar e entender a mecânica, e eu tinha menos traquejo.

      Excluir
  2. Puxa, a quinta edição parece legal mesmo... vou tentar jogar um dia desses ^^

    Pra mim, por questão de nostalgia e diversão, meu voto vai para o AD&D!!! No começo, achei um pouco complicado, mas depois você vê que é bem simples, e mais importante, muito divertido.

    Beijos da Amanda^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A quinta é muio legal, Amanda! Muito! Tenta jogar sim, você vai gostar! É simples e tem muita coisa bacana... só que o problema é que o ranger não ficou muito bom :(.

      Pois é, eu achei o AD&D complicado quando eu joguei, mas o Matheus fala a mesma coisa: depois que se aprende e se pega o jeito, fica bem simples e divertido!

      Excluir

Olá, comentários são sempre bem vindos! No entanto, postagens com linguajar muito chulo, caráter ofensivo ou preconceituoso (e todas estas coisas que pessoas adultas são plenamente capazes de evitar) serão apagadas. Trolls, só na mesa de jogo. Obrigada :).